quarta-feira, 25 de março de 2009

Vertigem

Olho minha aparência bem comportada
E vejo um rosto enfurecido
Uma cabeleira desgrenhada
Numa armação esquisita.
Olho minhas mãos envelhecendo
E vejo uma textura opaca
Veias sobressaltadas
Riscos de memórias.
Nos meus dentes escovados
Restos de minha própria carne.

Dentro de mim, esse bicho
Sempre à espreita
Rondando, faminto.
Se me distraio ele ataca.

É sempre assim,
Esses olhos de cão sobre mim,
Esse tempo sanguinário,
Essa alma insana
e essa louca
a gargalhar por onde passo,
Como morte,
como algoz,
como sentença,
em mim.

Denise Magalhães

3 comentários:

On The Rocks disse...

maravilhosamente denise.

bj

Luciano Fraga disse...

Cheguei aqui via on the rocks, embora já conhecesse seus poemas no livro em parceria com N.Magalhães, voltarei certamente, suas pesias são deleites, estrondos fabulosos, parabéns, sucesso.

On The Rocks disse...

hey deni,

fiz uma homenagem a maiakóvski no on the rocks. apareça!

bj